Em ruínas

3 junho, 2008

Escada Escura, de Ademir Patricio

Eu não queria trocar de casa

Desta casca que ajudaste a crescer ao meu redor

Não abandono apenas portas e janelas

Ou memórias em vidro temperado do banheiro

Ficarão esquecidos nossos cheiros

Risadas

Sussurros gritados na madrugada

Sobrarão tombados

Cumplicidades com as paredes

Som de nossos cheiros nos degraus da escada

O gosto amarfanhado do teu acordar

Todos os cafés da manhã que nunca preparamos juntos

Pastel de queijo fechado a duas línguas

Luas de conversas com o sofá

Não saio apenas de uma casa

Soterro com decidido destempero

Um novo início de vida