Até quando

10 abril, 2009

Hoje combinamos

De nos amar

Só até ontem

 

Foto: paperladyinvites

Anúncios

Café da manhã

10 abril, 2009

paquenteftrc1

paquenteftrc2Meus sonhos

São manteiga que funde

Derretida

No pão quente

Da tua loucura

Foto: Stella Dauer

Pequeno momento em dúvida

16 março, 2009

fakta_walalapancho2

Por que me fazes falta

Se cheguei ao mundo

Sem tua presença?

Foto: Walala Pancho

Mouth

26 setembro, 2008

Foto: Mazarin

Põe tua boca

Pra brincar comigo

Deixa ela solta

Pra me fazer cócegas na alma

Põe tua boca livre

Molhada com teu eu

A me fazer promessas inventadas

Dessas que se acredita desacreditando

Traz tua boca aqui

Ela pede diversão com minha língua

Quer apostar corrida, esconde-esconde

Lutar com sabres imaginários de luz

Brinca tua boca

Fazendo firulas em meu pescoço

Contando histórias inventadas às pressas

Cuidadosamente detalhadas

Pra me fazer rir

Deixa tua boca comigo

Quero bebê-la de vez em quando sempre

Molhar minha vida em tua saliva

Ter companhia para me descobrir

Amor estragado

5 agosto, 2008

Hoje encontrei teu cheiro

Numa t-shirt amarela

Perdida em meu armário

Tinha o odor embolorado

Ocre musguento e fétido

De amor esquecido há tempos

Na geladeira

Foto: Ben’s Foto

Em ruínas

3 junho, 2008

Escada Escura, de Ademir Patricio

Eu não queria trocar de casa

Desta casca que ajudaste a crescer ao meu redor

Não abandono apenas portas e janelas

Ou memórias em vidro temperado do banheiro

Ficarão esquecidos nossos cheiros

Risadas

Sussurros gritados na madrugada

Sobrarão tombados

Cumplicidades com as paredes

Som de nossos cheiros nos degraus da escada

O gosto amarfanhado do teu acordar

Todos os cafés da manhã que nunca preparamos juntos

Pastel de queijo fechado a duas línguas

Luas de conversas com o sofá

Não saio apenas de uma casa

Soterro com decidido destempero

Um novo início de vida

Eu te amo

22 janeiro, 2008

euteamo2.jpg

Eu te amo e a frase ecoa segundos afora

Eu te amo e tudo se solucionará

Eu te amo e faço dessas minhas últimas palavras

Eu te amo e teu cheiro brinca em minhas mãos

Eu te amo e quero que tudo mais vá para o inferno

Eu te amo e as sílabas sibilam, revoltam-se, rebolam em minha língua

Eu te amo e sinto todos os pesares, as culpas, as faltas que cometi

Eu te amo e teu corpo é café da manhã que devoro sem pressa

Eu te amo e acendem-se as luzes do cinema barato que freqüento às terças

Amor envasado

16 novembro, 2007

411913026_98f1c6fc93.jpg

Preciso do teu cheiro

Engarrafado em vidro

Embalagem Tetra Park

Vale até invólucro cartonado

Ou matéria plástica

A única exigência

É que seja a granel

Existir cansa?

23 outubro, 2007

existencia1333015667_2f0d8894c8.jpg

“Tenho dó das estrelas,

Luzindo há tanto tempo,

Há tanto tempo…

Tenho dó delas.

Não haverá um cansaço

Das coisas,

De todas as coisas,

Como das pernas ou de um braço?

Um cansaço de existir,

De ser,

Só de ser,

O ser triste brilhar, ou sorrir…

Não haverá, enfim,

Para as coisas que são,

Não a morte, mas sim

Uma espécie de fim,

Ou uma grande razão –

Qualquer coisa assim

Como um perdão?”

Fernando Pessoa